segunda-feira, 10 de abril de 2017

Café uma das riquezas do Brasil, sempre ovacionado, leia mais: Consumo moderado de café protege contra doenças cardiovasculares


jornal de saude
Atualização assim que ocorre  10 de abril de 2017
NOTÍCIAS
Consumo moderado de café protege contra doenças cardiovasculares
Os resultados fazem parte de uma pesquisa da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP com 550 pessoas que vivem na capital paulistana.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Ministério Público e prefeitura de Águas Lindas articulam conclusão de hospital
Participaram das deliberações o coordenador do Centro de Apoio Operacional da Saúde do Ministério Público, Eduardo Prego; a promotora Tânia ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Com déficit, Braille reduz atendimentos em Jundiaí
O crescente déficit orçamentário e o congelamento dos valores pagos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para procedimentos médicos estão ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Empresa faz recall de salada vendida no Walmart após morcego morto
... de Doenças (CDC). As pessoas que comeram a salada estão sendo monitoradas, mas não apresentaram problemas de saúde até o momento.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

LUTO INFANTIL: COMO FALAR DE MORTE COM AS CRIANÇAS?


Por Dr. Carlo Crivellaro, Pediatra com Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria; Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria; e Membro da Highway to Health International Healthcare Community
Com certeza, esse é um tema muito delicado e difícil de ser falado, em qualquer época da nossa vida, e com qualquer pessoa.

Se é difícil para nós, adultos, imagine para as crianças. Como toda nova experiência, pode ser bastante confuso e assustador para as crianças, ainda mais em caso de morte por acidente. Quando acontece, seja ela com o bichinho de estimação ou com um ente querido, as crianças precisam de todo nosso apoio e, principalmente, de nossa sinceridade, para que haja confiança.

Antes de começar a explicar, temos que ter claro em nossa mente o que é a morte para nós mesmos, e pensar em que realmente acreditamos, porque só assim poderemos responder aos questionamentos delas, que vão ser muitos. Se quiser, vale explicar também que nem todos pensam exatamente como o papai e a mamãe, e dar versões de outras religiões.

Devemos entender também que o luto é um processo, e não um evento. Isso quer dizer que demanda tempo, e cada criança precisará de um tempo diferente para superar sua perda. Pressionar a criança a voltar a ter “vida normal”, sem dar o tempo necessário, implicará em outros problemas ou reações negativas.

Muitos pais têm dúvida de quando começar a falar sobre o assunto ou então preferem nem falar. Deixar de falar não é a melhor solução, pois a morte é algo que faz parte da vida de todos nós. Ela está nas plantas, nos bichinhos, nos amigos e familiares. A melhor época para falar sobre o assunto é quando a situação acontecer, e essa situação pode ser a morte de alguém querido ou o questionamento da criança sobre o porquê a florzinha do vaso morreu. A criança não irá se beneficiar de “não tocar no assunto” ou “tirar isso da cabeça”. Nunca fuja do assunto quando a criança quiser conversar sobre o tema.

Entre 5 a 7 anos, a criança começa a entender melhor como relacionar sua vida com o mundo. Então, automaticamente, ela conseguirá relacionar a morte com algo que ela perdeu, como um brinquedo, por exemplo.

A morte faz parte do ciclo da vida. Uma ótima maneira de preparar seu filho de maneira simples é ensiná-lo desde pequeno com exemplos práticos. Plante uma semente e vá mostrando como ela nasce, cresce e morre. Lembra daquele feijãozinho plantado no algodão que todos nós fizemos na escola? Pode ser um ótimo aliado neste momento. O mais importante desta experiência é mostrar que esse processo é natural e que independe de ele ter cuidado direitinho da planta.

Há três itens em relação à morte que a criança precisa entender:

- Tudo que é vivo vai morrer um dia;
- Quando morre não volta mais;
- Depois que morre, o morto não sente dor, não corre, não sente medo, não dorme, não pensa, não age mais.

Crianças até 3 anos não conseguem perceber claramente isso, mas entendem que não brincarão mais com a tia, ou que o avô não a buscará mais na escola. As mais velhas percebem que a morte é algo natural, mas precisarão de explicações concretas para entendê-la. Só a partir de 12 anos é que a criança consegue entender completamente todo o processo.

Nunca associe morte com sono! Para contar à criança que alguém morreu, o melhor é não mentir e nem contar historinhas do tipo: “ele dormiu para sempre”, “descansou”, ou “fez uma longa viagem”. As crianças entendem as frases exatamente como são ditas, e isso pode causar confusão na cabecinha delas. Podem achar que a vovó que morreu está apenas dormindo e vai acordar a qualquer momento e chegar em casa, ou que todo mundo que viaja nunca mais volta, ou quando o papai chegar e disser que está cansado, ela vai achar que ele vai dormir e morrer. Aliás, a própria criança pode começar a ter medo de dormir e não acordar mais. Se disser que “fulano virou uma estrelinha”, a criança vai acreditar e, quando olhar para o céu, irá achar que todas as estrelas são pessoas mortas.

Se um ente querido estiver muito doente a criança deve saber o que está acontecendo. Por mais nova que ela seja, irá perceber o clima da casa. Explique que a pessoa está doente e que é grave. Se caso a pessoa morrer, nunca chegue para a criança contando o que aconteceu de repente. Comece a conversa relembrando do ciclo da vida da plantinha, daquele feijãozinho que vocês plantaram. Encare como uma discussão em aberto, e não como um discurso! Dê espaço para a criança tirar as suas dúvidas. Comece com fatos básicos, descubra o que a criança sabe e pensa, para decidir o quanto mais de informação ela tolera. Nem todas as crianças suportam muitos detalhes. Mais uma vez: a criança precisa de apoio e sinceridade.

Nunca esconda seus sentimentos. Não queira passar a imagem de que está tudo bem. Ao contrário, exponha suas emoções, pode chorar e dizer que será difícil para todos da família. Isso fará a criança perceber que o que ela está sentindo é normal. Demonstre que, como a criança, você também sente saudades e está sofrendo, e deixe que ela fale sobre os seus sentimentos. Garanta que ela não está sozinha, e sempre haverá alguém para cuidar dela, principalmente se a perda for de um dos pais. E tenha paciência, pois é possível que ela pergunte as mesmas coisas várias vezes.

É natural que a criança apresente mudanças de comportamento após a notícia da morte de alguém com quem convive. Além do choro e da raiva, pode começar a ir mal na escola, ficar hiperativo ou fazer xixi na cama. Considere ajuda da escola e até de um psicólogo. É importante que a criança sinta que tem apoio e atenção também dos colegas e professores.

Outra dúvida comum é se a criança deve ir a velórios ou enterros. Não se deve forçar, mas a criança pode se beneficiar de participar junto com os adultos. Os rituais servem para que todos vivenciem melhor a despedida, inclusive os pequenos. Os especialistas concordam que velórios e enterros não traumatizam as crianças. Explique muito bem antes como é o velório ou o enterro, e pergunte se ela quer ir. A criança precisa saber antes que será triste, e que muitas pessoas estarão chorando. Não decida pela criança que ela deve ficar de fora, mas também não a obrigue a ir se ela não quiser, e não deixe que se sinta culpada se não for.

O mais importante de tudo é sempre agir com honestidade, com a verdade, para que seu filho possa sempre confiar em você. Se não souber responder a alguma pergunta, não tem nenhum problema em dizer “não sei”. Buscar as respostas junto com seu filho poderá uni-los ainda mais. Quando procurar ajuda profissional? Em casos de raiva ou hostilidade excessivas, ou quando a criança não expressa nenhum luto, ou em casos de depressão ou ansiedade que interferem nas atividades diárias, durando semanas ou meses.

Jus Brasil informa para os leitores do Jornal de Saúde: OAB vai ao STF por legalidade de casamento homoafetivo e mais, confira

Âmbito Jurídico 
7 votos
OAB vai ao STF por legalidade de casamento homoafetivo
A OAB Nacional irá requerer ingresso como amicus curiae na ADIN n. 4.966, a favor da constitucionalidade da Resolução n. 175/2013 do CNJ. O texto proíbe a recusa de habilitação de casamento... Leia Mais »
Wagner Francesco ⚖ 
11 votos
O STF e como fazer um jovem de 18 anos perder a sua vida
A Primeira Turma do STF, por maioria, indeferiu “habeas corpus” impetrado em favor de denunciado pela prática do crime de estupro de vulnerável ( Código Penal , art. 217-A ). No caso, o paciente, aos... Leia Mais »
Flávia Teixeira Ortega 
16 votos
Se alguém pagar uma dívida prescrita, pode pedir a devolução da quantia paga?
Violado um direito subjetivo público, nasce para o seu titular uma pretensão, a qual pode ser extinta pela prescrição. Mas, o que é a prescrição? O instituto da prescrição tratado no Código Civil de... Leia Mais »
Correio Forense 
11 votos
Para STJ, dano moral à pessoa jurídica exige prova
Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) afastou ocorrência de dano moral em ação movida por uma empresa contra o Banco do Nordeste, pelo excesso de encargos... Leia Mais »
Denes Menezes 
7 votos
Os crimes por trás do Baleia Azul, o jogo do suicídio
Pule de um prédio alto. Tire sua vida. Esse é o último desafio do jogo Baleia Azul, considerado uma febre na Europa e que já levou ao suicídio de 130 jovens. Não há barreiras na internet para que o... Leia Mais »
Nathalya Freire 
9 votos
Curiosidades sobre os Direitos do Consumidor que você não sabia!
8 curiosidades na área de Direito do consumidor que você precisa saber, para não ficar a mercê de comerciantes, fornecedores abusados! Muitas das vezes o cliente leva prejuízo por desconhecimento de... Leia Mais »
Carolina Orlowski Damaceno 
4 votos
Repetição do Indébito x Devolução em Dobro - Quando pleitear?
A expressão “repetição do indébito”, originada do latim “repetitivo indebiti”, costuma gerar grande confusão entre os operadores do Direito, que por vezes tendem a fundir a sua aplicação com a... Leia Mais »
Jusbrasil Perguntas e Respostas 
8 votos
[Dúvida] Banco pode cobrar anuidade de cartão bloqueado?
“Sou cliente de um banco faz bastante tempo e tenho um cartão dependente , mas ele se encontra bloqueado . Mesmo assim, estão cobrando anuidade do cartão. Podem fazer isso? Tenho algum direito?... Leia Mais »
Luiz Fernando Pereira Advocacia 
3 votos
Trabalhadora é indenizada em R$ 60 mil por assédio sexual
A 7ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) condenou a joalheria F. Joias Presentes LTDA – ME ao pagamento de R$ 60 mil, a título de danos morais, a uma auxiliar de escritório... Leia Mais »
examedaoab.com 
3 votos
Venda casada: prática ilegal que causa prejuízos morais ao vendedor que é obrigado a praticá-la
Embora ilegal, a venda casada é uma velha conhecida dos consumidores: a pessoa quer comprar apenas um fogão ou outro eletrodoméstico e, sem perceber a manobra do vendedor, acaba levando garantia... Leia Mais »
Rodrigo Dias Macedo 
6 votos
Whatsapp no trabalho podem gerar demissão
O Whatsapp é um aplicativo de celular que foi criado para troca de mensagens, áudios, vídeos e fotos, sem custos, o que facilita e agiliza a comunicação entre os usuários. Segundo o Wikipédia : “Rede... Leia Mais »
Rodrigo Fernandes 
3 votos
[Modelo] Reclamação Trabalhista
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA ___ VARA DO TRABALHO DA XXXXXXXXXXXXXXX. XXXXXXXXXXXXXX, brasileiro, divorciado, ajudante geral, portador da carteira de identidade RG. Nº XXXXXXXXX SSP,... Leia Mais »
Elder Fogaça 
9 votos
Dicas de Direito Penal para Escrevente Técnico Judiciário
Introdução O objetivo deste artigo é trazer uma análise objetiva dos c rimes contra a fé pública, crimes contra a Administração Pública e dos crimes contra a Administração da Justiç a, de maneira a... Leia Mais »
Flávia Teixeira Ortega 
8 votos
STJ - É possível a execução provisória da pena com a pendência de embargos de declaração?
O Supremo decidiu, recentemente, que a execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação, ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o... Leia Mais »
Âmbito Jurídico 
4 votos
Filiação socioafetiva não impede reconhecimento de paternidade biológica e seus efeitos patrimoniais
A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu ser possível a um filho receber herança tanto por parte do pai biológico quanto por parte do pai registral. O colegiado entendeu que,... Leia Mais »
Jean Dias 
14 votos
O imperativo categórico de Imannuel Kant e a finalidade da pena
O imperativo categórico A disseminada expressão “faça para os outros o que gostaria que outros fizessem para você mesmo” vai ao encontro do que se extrai do imperativo categórico idealizado por... Leia Mais »
Brenda Constanccio 
3 votos
Interceptação Telefônica no Processo Penal
A interceptação telefônica é a captação da comunicação telefônica alheia por um terceiro, sem que os interlocutores saibam disso. De natureza cautelar preparatória, pode ser utilizada na fase... Leia Mais »
José Herval Sampaio Júnior 
6 votos
Entre a legalidade e a governabilidade: qual o verdadeiro papel do TSE e, por conseguinte, da Justiça Eleitoral?
Por Herval Sampaio e Joyce Morais O julgamento das quatro ações que pugnam pela cassação da chapa vencedora nas eleições gerais de 2014, Dilma Rousseff e Michel Temer, teve início na última... Leia Mais »
Gerson Aragão 
5 votos
[Dica] Como garantir o cumprimento de suas metas de Estudo para Concursos?
Se você tem uma determinada meta de estudo, faça tudo e cumpra sua meta rigorosamente. Precisando de uma dose de motivação? Assista o vídeo. https://www.youtube.com/embed/hZc1Qi2usOI Quer garantir... Leia Mais »

Jornal de Saúde informa

Febre amarela: Caso suspeito de febre amarela em humano é investigado em Carmo do Paranaíba e Idosos não conseguem vacina

saúde em Belo Horizonte/MG Atualização diária ⋅ 18 de janeiro de 2018 NOTÍCIAS Técnica de saúde bucal é de...

Jornal de Saúde