terça-feira, 25 de julho de 2017

Centro de Extensão em Educação Ambiental de agosto de 2017 participe

Exame médico se torna obrigatório para pilotos de Drone



Especialista fala sobre as novas medidas adotadas para habilitação pela ANAC


A ANAC criou regras para as operações civis de aeronaves não tripuladas, também conhecidas como Drones.
A regulamentação, feita pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), foi amplamente discutida. As regras entraram em vigor no dia 04 de maio deste ano e segundo a entidade, o objetivo é preservar a segurança das pessoas e do Espaço Aéreo Nacional

Segundo ​o Dr. Maximo Asinelli​ Médico que é médico Perito Credenciado da ANAC (MC 010) e Diretor Clínico nos conta que:  os Operadores de Drones "Pilotos-remoto de Aeronave não tripulada“ deverão realizar o CMA ( Certificado Médico Aeronáutico de 5º Classe ) os exames, tanto iniciais quanto revalidações, de qualquer classe e para qualquer licença, podem ser realizados nas clínicas Credenciadas.

​Asinelli comenta que “a inspeção de saúde não é um bicho de sete cabeças, mas também não é um evento corriqueiro. É necessária alguma preparação para o exame, que vai variar de acordo com as condições de saúde de cada um. Mas, em linhas gerais, mesmo que sua saúde seja perfeita, é sempre bom manter hábitos saudáveis. 

Para a obtenção de seu CMA de 5º Classe deverá realizar exames Bioquímico, Avaliação Mental e Corpontamental, Requisitos Neurológicos, Cardiológicos,  Pneumológicos,  Digestivos, Metabólicos Nutricionais e Endocrinológicos, Hematológicos, Nefrológicos e Urológicos, Ósteo-articulares, Otorrinolaringológicos, Oftalmológicos e Auditivos.

Se você achou que tudo isso é muito rigor para quem vai utilizar um Drone, lembre-se que DRONE é uma palavra inglesa que significa "zangão", na tradução literal para a língua portuguesa. No entanto, este termo ficou mundialmente popular para designar todo e qualquer tipo de aeronave que não seja tripulada, mas comandada por seres humanos à distância. Ou seja, pode ser uma aeronave pequena de uso esportivo, fotográfico amador ou um VANT,  Aeronave de uso Militar ou Profissional.

Hepatite C: dados e curiosidades relevantes


 
Mais mortal, transmissível e infeccioso do que o HIV, o vírus causador da Hepatite C segue um desconhecido para a imensa maioria dos pacientes no Brasil e, em silêncio, pode estar causando uma doença sistêmica. No Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, entenda a situação e teste-se!

 
São Paulo, julho de 2017 – Estima-se que no Brasil existam entre 1,4 e 1,7 milhão de portadores de hepatite C. Grande parte desconhece seu diagnóstico e poucos sabem como ocorreu a transmissão ou que exista tratamento para a doença1.
Conscientizar a população sobre prevenção, proteção e a necessidade de fazer o teste da Hepatite C são objetivos do Dia Mundial da Luta Contra as Hepatites Virais, celebrado anualmente em 28 de julho.

No Brasil, dados epidemiológicos apontam que aproximadamente 80% das pessoas com o vírus da Hepatite C (HCV) estão acima dos 40 anos de idade2.

“Como o vírus só foi descoberto em 1988, os comportamentos e fatores de risco eram até então desconhecidos, o que favorecia infecções”, comenta Nelson Cheinquer, diretor médico da Gilead no Brasil, biofarmacêutica global que tem a Hepatite C como uma de suas principais áreas terapêuticas de pesquisa e desenvolvimento.

O fato de a doença ser assintomática em 80% dos casos faz dela um sério problema de saúde pública, podendo levar décadas para dar sinais e, normalmente, manifestando-se já em estágio avançado de comprometimento do fígado ou com quadros associados.

A Hepatite C é a maior causa de cirrose, câncer e transplante de fígado no mundo3. Além das complicações relacionadas ao fígado, ela pode desencadear uma verdadeira doença sistêmica. Estudos comprovam que o vírus da Hepatite C aumenta os riscos do aparecimento de outras doenças como a Diabetes do tipo 2 e do Linfoma, por exemplo4.

O HCV é transmitido por contato com sangue infectado, sendo que os principais meios de transmissão são reutilização e esterilização inadequada de equipamentos médicos e outros, compartilhamento de seringas e agulhas, práticas sexuais de risco e transmissão vertical (da mãe para o filho).

“Levar o próprio material para a manicure, utilizar seringas e agulhas descartáveis e usar preservativos em práticas sexuais de risco são medidas efetivas de proteção contra infecções”, explica Cheinquer.
 
HCV vs HIV
Estudos já demonstraram que o HCV é seis vezes mais transmissível do que o HIV5, estatística que pode ser explicada por características como a capacidade de sobrevida do vírus. Fora do corpo, ele permanece vivo por até quatro dias, podendo chegar a quase dois meses quando em ambiente fechado, como no interior de uma seringa, por exemplo.
Ainda no comparativo com o HIV, outros dois dados surpreendem. Desde 2007, a taxa de mortalidade por HCV supera a do HIV6. Só no Brasil, calcula-se em torno de 3 mil mortes associadas à Hepatite C anualmente. Além disso, o vírus HCV é 50 a 100 vezes mais infeccioso que o HIV.

A despeito disso, porém, a doença tem alta taxa de cura, inclusive quando descoberta em seu estágio mais avançado. “Mesmo pessoas com cirrose ou descompensação do fígado podem ser tratadas e o vírus erradicado. Nesses casos, contudo, o paciente pode precisar de outros tratamentos complementares e seguimento”, afirma Cheinquer.
Esse problema é evitável com a descoberta e início do tratamento rápido, se necessário. “Mesmo que você não se enquadre em nenhum dos fatores de risco, deveria fazer o teste para Hepatite C pelo menos uma vez. É inclusive uma recomendação do Conselho Federal de Medicina que todos sejam testados”, recomenda o médico. “Agora, se você tem ou teve alguma entre as experiências que configuram risco, uso de drogas injetáveis, práticas sexuais de risco desprotegidas, entre outras, é recomendado que faça o teste anualmente ou até a cada semestre”, completa.
 
Fontes:
1 - Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Hepatite C e Coinfecções – 27 de julho de 2015, 7
2 - Bruggmann, et al. Journal of Viral Hepatitis, 2014, 21, (Suppl. 1), 5–33
3 - Allison RD, et al.Increased incidence of cancer and cancer-related mortality among persons with chronic hepatitis C infection; J Hepatol 2015; 63:822-828
4 - World J Gastroenterol. 2016 Jul 21;22(27):6214-23; Negro, J Hepatol 2014
 

ASBAI lança vídeos para conscientizar sobre a alergia à proteína do leite de vaca


Vídeos trazem temas do cotidiano de famílias que enfrentam o problema
 
A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), com o apoio da Danone Nutrição Especializada, acaba de lançar uma série de quatro vídeos voltados para familiares e cuidadores de crianças com alergia à proteína do leite de vaca (APLV) para conscientizar sobre a importância do diagnóstico correto, tratamento e cuidados diários.
Uma em cada 20 crianças tem alergia ao leite de vaca. O risco de sofrer com esse tipo de alergia aumenta em 40% quando se tem um familiar de 1º grau alérgico (mãe, pai ou irmãos). A APLV pode ocorrer já no primeiro ano de vida.

Os vídeos mostram situações que impactam no cotidiano de famílias que têm crianças com APLV e, um dos objetivos, é o de ajudá-las a encarar a doença com muita informação. “A APLV está cada vez mais grave e persistente, e é muito importante que as famílias e, principalmente, as crianças com APLV tenham qualidade de vida e recebam os nutrientes fundamentais para o seu desenvolvimento. Nós, como associação de alergia, temos a responsabilidade de informar”, disse Dra. Norma Rubini, presidente da ASBAI.
O tema do primeiro vídeo é “Dia a Dia”, que já está no ar e pode ser conferido nas redes sociais da ASBAI. Os outros três são “Volta às Aulas”, “Festas” e “Férias”. Todos serão veiculados ao longo do 2º semestre.

Doenças cardíacas tendem a aumentar no Inverno, principalmente em idosos




Médico de Família explica os motivos desses dados alarmantes 


Nesta quinta-feira, dia 26 de julho, é comemorado o Dia dos Avós, e por isso, é importante lembrar dos cuidados com os nossos velhinhos, principalmente quando o assunto é o coração. Muitos não sabem, mas no Inverno o número de doenças cardíacas tendem a aumentar e acomete principalmente as pessoas com mais idade. Isso acontece devido as baixas temperaturas, que em podem causar a diminuição da circulação sanguínea no músculo cardíaco.  
“Nós costumamos prestar atenção nas doenças mais comuns dessa época, como gripes e resfriados, mas com a chegada do frio e a diminuição do fluxo sanguíneo, as chances de um idoso com gripe ter um infarto aumentam consideravelmente, e a vacinação contra gripe previne tais eventos”, explica o Dr. Massimo Colombini, médico de família do aplicativo Docway. Ainda segundo o especialista, um estudo para verificar o impacto da vacina contra gripe na redução de infartos, publicado no ano de 2000, demonstrou uma redução de 78% da ocorrência dos infartos, além de redução dos níveis de hospitalização. 


Dados da Associação Americana do Coração (American Heart Association), de 2015, mostram que nessa época do ano, os casos de infarto cardíaco chegam a aumentar entre 20% e 25%, com riscos ainda maiores para aqueles que já tenham uma predisposição ou sofrem de alguma doença no coração. Para evitar esse tipo de situação, além da vacinação, é muito importante ter hábitos saudáveis. “Uma alimentação adequada aliada a exercícios físicos regulares, ainda a prevenção é a forma mais eficaz contra todo tipo de doença”, completa o médico.

 

Vamos estudar: Análise da produção científica relacionada às feridas oncológicas publicada pela Revista Estima

[PDF] Análise da produção científica relacionada às feridas oncológicas publicada pela Revista Estima

RRS SILVA, MAO SOUZA - 2017
... e jornais que culminou com publicação da Revista Estima. (Machado et al., 2012). ... serem
superadas facilitando um melhor planejamento das ações nos serviços de saúde, ... imprescindível
que os profissionais de enfermagem estejam atualizados e municiados de ...
Google+FacebookTwitter

[HTML] THE EVOCATION OF THE NOVEL AND THE SPIRIT OF SUSPICION IN RESURRECTION (1872), BY MACHADO DE ASSIS

RFDOS SANTOS - Machado de Assis em Linha, 2017
... Uma rápida pesquisa em jornais e revistas do período surpreende pelo enorme espaço dado
a esse gênero ... O trecho parece fazer referência a um conto de Henri Murger 29 publicado no
Jornal da Tarde entre 3 de janeiro de 1872 e 11 ... MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E SAÚDE. ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] ATUALIZAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR: COMÉRCIO ELETRÔNICO

JRS Júnior, A Hass - Anais do Simpósio de Sustentabilidade e …, 2017
... onde estes vem para atualizar a Lei 8.078/90, ou seja, buscam a atualização do Código de ... Unidas,
enumerou os “Direitos Fundamentais do Consumidor”, que visava a proteção à saúde, segurança
bem ... <http://www.senado.gov.br/NOTICIAS/JORNAL/EMDISCUSSAO/upload ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] ALEITAMENTO MATERNO: EFEITO PROTETOR FACE AO DESENVOLVIMENTO DE OBESIDADE INFANTIL

VHD Librelão, JC Diniz - Revista Brasileira de Ciências da Vida, 2017
... publicadas em revistas, 4 em jornais e 1 publicado em boletim científico. ... Jornal Pediatria 2013
Estudar a prevalência e os fatores associados ao excesso de peso em crianças ... Saúde (Santa
Maria) 2016 Avaliar a relação entre a alimentação complementar e a prevalência de ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] Diferenças no tratamento sistêmico do câncer no Brasil: meu SUS é diferente do teu SUS

RA Kaliks, TF Matos, V de Araujo Silva… - Braz J Oncol, 2017
RESUMO Objetivo: Identificar diferenças no tratamento sistêmico dos quatro tipos mais
incidentes de câncer tratados no SUS e comparar os tratamentos oferecidos com as
Diretrizes Terapêuticas (DTs) estabelecidas pelo Ministério da Saúde (MS), assim como
Google+FacebookTwitter

[PDF] DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DO MACARRÃO SEM GLÚTEN.

AP Flausino, FO Bellani, MCM Ferreira - Revista Iniciare, 2017
... (6) PRATESI, R.; GANDOLFI, L. Doença celíaca: a afecção com múltiplas faces. Jornal de
Pediatria, Porto Alegre, 81(5): 357-358, 2005. (7) ANDREOLI, CS et al. ... Ministério da Saúde -
MS. ... Atualizado por KAJISHIMA, S.; VERRUMA, MR 8.ed. São Paulo: Atheneu, 2007. ...
Google+FacebookTwitter

[HTML] ANALYSIS OF THE OUTCRY FOR PUNISHMENT AND REDUCTION OF CRIMINAL LIABILITY AGE

GM Tavares, GR Silva, TC Capelini, EMA Aragão - Psicologia & Sociedade, 2017
... o corpo populacional categorizando grupos por meio de taxas e índices indicativos de saúde,
doença, natalidade ... (Reportagem publicada na terceira parte do Jornal da Tarde ... educação, tríade
mantida nos estabelecimentos de sequestro do século XIX e atualizada hoje na ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] A DESCRIMINALIZAÇÃO DO PORTE DE SUBSTÂNCIA ILÍCITA ENTORPECENTE PARA CONSUMO PESSOAL

JA Antunes, CM Ricci - Anais do Simpósio de Sustentabilidade e …, 2017
... em livros, jurisprudências, leis, decretos, artigos científicos, artigos em Internet e revistas jurídicas,
notícias em jornais e sites ... ou drogas ilícitas que causem dependência física ou psíquica, assim
elencados pelo Ministério da Saúde, e dá ... Atualizado em 19 de dezembro de 2013 ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] INTERVENÇÃO EDUCACIONAL PARA A SAÚDE: ANÁLISE DA MUDANÇA DE COMPORTAMENTO PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA

CU UNILASALLE, CAF BERGMANN
... do pesquisador e dos sujeitos. Vários modelos e métodos são permitidos. Podemos utilizar a
comunicação persuasiva, por jornais, revistas, ... relevante. A partir dessa informação, uma grande
divulgação na comunidade sobre os malefícios do tabaco na saúde seria proposta. ...
Google+FacebookTwitter

[PDF] Potencialidades e desafios da comunicação pública pelo terceiro setor: um estudo a partir da plataforma Ituiutaba lixo zero

VO Magrini - 2017
... Page 16. 14 matérias produzidas para a coluna impressa da Plataforma no Jornal do Pontal
que são publicadas também no blog e na fanpage. ... efetiva nos processos deliberativos acerca
de assuntos como saúde, educação, meio ambiente, tecnologia, entre outros. ...
Google+FacebookTwitter

Bragança Paulista: Secretaria de Saúde informa sobre ações adotadas pela Gestão em reunião ...


Saúde atualizada
Atualização diária 25 de julho de 2017

NOTÍCIAS

Bragança Paulista: Secretaria de Saúde informa sobre ações adotadas pela Gestão em reunião ...
Na ocasião, a Secretária Municipal de Saúde, Marina de Oliveira, ... o calendário de vacinação atualizado e em dia com todas as faixas etárias.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante

Não é receita de bolo: 9 Sinais que Indicam que o Casamento Chegou ao Fim

9 Sinais que Indicam que o Casamento Chegou ao Fim Resultado de imagem para foto casal brigando  
   
São Paulo, 25 de julho de 2017 – Nenhum casamento está isento de passar por crises e conflitos. Porém, nem sempre é fácil perceber que o fim está próximo ou ainda que é preciso buscar ajuda para resolver os problemas. Segundo o censo mais recente do Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE), o número de divórcios no Brasil cresceu 160% em 10 anos, passando de 130,5 mil em 2005 para 341,1 mil em 2014.

As psicólogas Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima, a separação não acontece repentinamente. “O casamento passa por momentos diferentes e é normal que os casais enfrentem crises ao longo do tempo. Entretanto, é possível identificar algumas situações que servem de alerta para tomar uma atitude e buscar a resolução dos conflitos antes que seja tarde demais,” explicam.

Veja agora os 9 sinais, segundo o Instituto do Casal, que podem indicar que o relacionamento está na UTI:
  1. Grosseria: Quando uma discussão é iniciada, sempre é usado um tom mais ríspido e indelicado. Além disso, o diálogo é cheio de sarcasmo, ironias e feito num tom maldoso.
  2. Excesso de críticas: Quando não gostamos de algo, nossa tendência é reclamar ou criticar. Porém, esse comportamento dentro do casamento pode se tornar um problema, especialmente quando tudo vira alvo de críticas, desde a arrumação da casa, até o corte de cabelo, a roupa, os amigos, etc.
  3. Desprezo: Esta atitude é nociva para qualquer relação, mas é ainda pior para o casamento. A sensação de que tanto faz e não se importar com o outro são sinais importantes que mostram que a vida a dois precisa de ajustes. Além disso, o desprezo é um sentimento de superioridade em relação ao outro, é como dizer “sou melhor que você”.
  4. Comunicação inviável: O diálogo é parte essencial do casamento. Quando o casal já não consegue conversar, seja por falta de tempo ou porque tudo vira motivo de discussão, a comunicação se torna impossível e a separação pode ser uma questão de tempo.  
  5. Negatividade: Reclamar de tudo e mostrar insatisfação a todo o momento são atitudes nocivas para o casamento levando o casal a um estado de saturação e opressão.
  6. Linguagem corporal: Casais felizes tem uma linguagem corporal de aproximação e sintonia. Abraçam-se, dão as mãos, encostam-se ao ombro um do outro e especialmente sorriem um para o outro. Por outro lado, quando há problemas no relacionamento, a tendência é sorrir menos ou nem sorrir, não se tocar, não andar mais de mãos dadas, denotando claramente a falta de conexão.
  7. Fracasso na resolução dos conflitos: Cada casal tem sua maneira de resolver seus problemas, mesmo que isso demore. Mas, quando não é mais possível chegar a um consenso pode indicar que é hora de repensar o rumo da relação.
  8. De volta para o passado: Nada mais desagradável do que trazer para as discussões os fatos do passado. Muitas pessoas usam os deslizes do (a) parceiro (a) como forma de chantagem ou para relembrar situações desagradáveis. Isso pode ser gerador de mais culpa, angústia e tristeza.
  9. Sexo congelado: O esfriamento da vida sexual é um sinal muito importante. É normal a diminuição do ritmo sexual ao longo do tempo, mas sua completa ausência é um sintoma importante que pode revelar desconexão do casal.
É possível salvar o casamento?
Tudo é possível. Entretanto, para retomar o casamento é preciso que os dois queiram. Partindo do desejo de reparação, o casal pode recorrer à terapia de casal, aconselhamento ou outra forma de mediação. Na maioria dos casos, quando esses sinais descritos acima são muito evidentes, é preciso da orientação e mediação de outra pessoa para ajudar o casal a resolver seus conflitos”, comenta Marina.

“Ninguém deve viver infeliz em uma relação, mas é importante entender que os conflitos são normais e podem ser solucionados, desde que haja amor e respeito. Manter um casamento apenas por motivos sociais ou ainda por causa dos filhos pode ser pior que um divórcio. As pessoas precisam ter em mente que o casamento é um exercício diário de paciência, altruísmo, flexibilidade, negociação e dedicação”, finalizam as especialistas.

Congressos sobre Asma, DPOC e Tabagismo em 02 de agosto

Congressos sobre Asma, DPOC e Tabagismo vão integrar profissionais da saúde respiratória
Resultado de imagem para foto de pulmão com asma, tabagismo etc

Especialistas se reúnem para debater como a maconha afeta os pulmões, quais são as relações entre asma e obesidade, entre outras questões que merecem atualização. Congressos acontecem a partir do próximo dia 02/08, no Centro de Convenções do Ceará, em Fortaleza.

“É um evento multiprofissional. Estamos recebendo pediatras, nutricionistas, fisioterapeutas, cardiologistas. A grade científica está bem completa e conta com profissionais jovens”, assinala o Dr. Fernando Lundgren, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT).

Na programação de asma, assuntos como asma na atenção primária, tratamentos com imunobiológicos, o difícil controle desta doença crônica na infância e a relação com a obesidade terão atualizações.

Na mesa de Tabagismo, uma das discussões de destaque será o uso associado do tabaco a outras drogas, como a maconha. Afinal, o quanto a maconha faz mal para os pulmões?
A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é pediátrica? Quais são os avanços em reabilitação do paciente e tratamentos atualizados? Esses e muitos outros temas fazem parte do Congresso de DPOC.

O Pneumoceará vai elucidar os avanços reais no diagnóstico e ou na terapêutica de Pneumonias, Bronquiectasias, Fibrose Cística, Doenças Intersticiais, Doenças do Sono, Tuberculose, focando também na Pediatria, prevenção, e muito mais.
“Receberemos o médico que mais trabalhou com Emergências no Brasil, o Dr. Hélio Pena, responsável pela tradução e instalação dos cursos de Emergências em todo o país”, prestigia o presidente da SBPT.

O curso pré-Congresso de Emergências Respiratórias, feito em conjunto com a Associação Brasileira de Medicina de Urgência e Emergência (Abramede) será um dos grandes sucessos desta edição.

Outros cursos de destaque serão: Imagem, Oncologia Torácica, Função Pulmonar e Infecções Respiratórias.

Sobre o objetivo do evento, o Dr. Fernando Lundgren esclarece: “Nós somos uma Sociedade de Pneumologia aberta para todos. Quanto mais a gente atuar para que o profissional conheça sobre as doenças, mais saúde respiratória nós vamos ter”.

Jornal de Saúde informa

Atividade física: como se preparar para os exercícios nas estações mais frias

No inverno, é comum que esportistas fiquem menos dispostos à prática de exercícios; ideal é se preparar e manter a motivação mesmo longe...

Jornal de Saúde