quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Minha sogra veio morar em casa. E agora?


 
 
60% dos conflitos familiares são entre noras e sogras e apenas 15% entre genros e sogras

São Paulo, 9 de agosto de 2017 – Em um país em que a expectativa de vida da população aumentou e que os idosos já são mais de 20 milhões, é comum encontrar famílias que precisam se reestruturar para receber em casa novos integrantes, como os pais ou ainda os sogros. Mas, como lidar com essa mudança sem afetar a relação do casal?Segundo Denise Miranda de Figueiredo e Marina Simas de Lima,, trata-se de um enorme desafio, como também uma prova de maturidade e empatia. “Nessa situação é preciso se colocar no lugar de quem precisa de abrigo, assim como no lugar do filho ou da filha. É um momento de colocar a empatia e a solidariedade em prática. Como filho ou filha é a hora de retribuir tudo o que os pais já fizeram por nós. Isso pode ajudar a lidar muito melhor com a mudança”, afirmam.
Por outro lado, essa compreensão nem sempre pode ser tão fácil para genros e noras. Segundo um estudo da psicóloga Terri Apter, 60% das noras e 15% dos genros têm problemas com as sogras. O estudo virou um livro “What Do You Want From Me?” (O Que Você Quer de Mim”). Entre os principais problemas da rivalidade entre noras e sogras estão os cuidados com as crianças e o trabalho doméstico.
Como resolver esse dilema?
“O casal precisa sentar e conversar para chegar a um acordo. Precisa fazer um planejamento para decidir todos os detalhes, como reorganização do espaço físico, contas, logística de médicos, pagamentos, etc. Depois, é importante comunicar os filhos. O processo de adaptação pode ser longo e é preciso paciência e flexibilidade para dar certo”, diz Denise.
Veja agora, algumas dicas para ajudar na transição:
  • Regras da casa: Mostre desde o começo qual é a rotina da casa, assim como os horários das crianças, atividades, etc. Peça para que esses limites sejam respeitados.
  • Resolução de conflitos: Procure resolver o problema diretamente com a sogra ou o sogro. Isso porque quando há conflitos o (a) parceiro (a) fica no meio do fogo cruzado, sem saber qual lado escolher. E o fato é que em um relacionamento saudável não é preciso fazer nenhuma escolha. Pelo contrário, o ideal é somar esforços para o bem de todos. 
  • Relação amigável: Certamente antes de casar você fazia um esforço para agradar os sogros, por que não continuaria agora? Então, procure manter uma boa relação para o bem-estar da família e claro da relação a dois.
  • Preserve a sua intimidade: O casal deve procurar preservar a intimidade, reservar momentos para o namoro, o sexo, como fazia antes. E neste caso, o (a) sogro (a) precisa respeitar esses momentos.
  • Inclusão: É importante que o (a) sogro (a) seja incluído nos programas familiares, pense que agora a família tem um novo membro. Se a condição de saúde permitir, deixe que ele (ela) participe das atividades da casa, como regar plantas, lavar louça, atender ao telefone, etc. Assim, ele (ela) pode construir um papel dentro da família para não se sentir apenas um hóspede de passagem, mas sim fazer parte desse novo sistema familiar.
“Talvez essa seja uma das questões familiares mais complexas para se administrar. O desafio é passar por esta situação da melhor forma possível e de uma maneira suave. É preciso ajudar a família nuclear e a família de origem a se adaptarem a esse novo contexto, que deve ser desenhado conjuntamente, com combinados claros e preestabelecidos por meio do diálogo franco. A relação a dois tende a ganhar novos significados, se fortalecer em função vivência da lealdade e dos cuidados com os pais e irá ao mesmo tempo ensinar aos filhos um modelo relacional afetivo melhor enquanto membro dessa família”, concluem as especialistas. 

Doença do refluxo: o que é e como tratar


Tendo como principal sintoma a sensação de queimação, a doença do refluxo gastroesofágico não “olha” a idade; podendo manifestar-se em crianças, adultos e idosos

A doença do refluxo gastroensofágico (DRGE), popularmente chamada de ‘doença do refluxo’, é uma disfunção digestiva, no qual os ácidos presentes no estômago voltam para o esôfago ao invés de seguir seu fluxo normal. Esse movimento gera uma irritação nas paredes do esôfago, o que faz com que a pessoa tenha uma sensação de queimação. Além deste sintoma, azia, dificuldade para engolir, náusea após as refeições, tosse seca e inchaço na garganta são alguns indícios característicos da doença.

Dr. Mauro Lúcio Jácome, médico especialista em gastroenterologia, cirurgia e endoscopia, esclarece que o refluxo é comum em bebês de até um ano de idade, entretanto, pode atingir todas as faixas etárias. “A incidência em recém-nascidos é comum pois o sistema digestivo ainda está em desenvolvimento. Inclusive é por isto que a criança deve ficar na posição vertical logo após mamar. Todavia, se os sintomas persistirem após o primeiro ano de vida ou começar a se manifestar em outros períodos da vida, é necessário procurar um especialista para dar início ao tratamento o quanto antes”, explica. 

Algumas condições aumentam as chances do indivíduo de contrair o refluxo. São elas: a obesidade, a diabetes, a gravidez, a hérnia hiatal e o tabagismo. “Quando uma pessoa come, o alimento percorre o esôfago até chegar ao estômago. Lá, o esfíncter esofágico inferior é o músculo responsável por impedir a volta do conteúdo para o esôfago. Se ele não estiver funcionando bem, acontecerá o refluxo. Os exames para detectar ao certo o que o paciente tem variam desde a anamnese, até raio-X, endoscopia e a pHmetria. Lembrando que cada caso é um caso”, afirma Mauro.

Os tratamentos, ou doença do refluxo gastroesofágico, pode ser através de medicamentos ou até cirurgia, variando de acordo com cada caso. Se o grau do refluxo do paciente for leve, somente a prescrição de alguns remédios em conjunto com a mudança de hábitos alimentares são suficientes. No entanto, caso o grau da doença do paciente esteja mais avançado e com sintomas mais intensos, o ideal é submetê-lo a um procedimento cirúrgico e, assim como nos casos mais leves, a uma readequação alimentar.

PREP – PROFILAXIA PRÉ-EXPOSIÇÃO SEXUAL COM TRUVADA® 8 MITOS SOBRE A PREP



1. Mito – Com a utilização de PrEP com Truvada® não é mais necessária a adoção de outros métodos de proteção contra o HIV.

Isso é um mito. A PrEP com Truvada® NÃO deve ser utilizada como único método de prevenção à infecção por HIV, e sim como complemento a outras medidas de proteção já usuais, como o uso de preservativos que, inclusive, protegem contra a transmissão de outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), como a sífilis e a hepatite B. De acordo com estudos clínicos e projetos de demonstração, a eficácia de Truvada® varia de 92% a 100% quando tomado corretamente. A administração recomendada é de um comprimido ao dia, regularmente.

2. Mito – Com a PrEP, as pessoas terão um comportamento mais promíscuo, já que acreditam que estão protegidas.

Isso é um mito. Nos estudos clínicos já realizados essa expectativa não se confirmou. Os resultados mostram que os usuários, em sua grande maioria, mantiveram os procedimentos usuais de sexo seguro e consideraram a PrEP com Truvada® como uma proteção adicional, mas que não elimina a importância de outros métodos de prevenção como o uso dos preservativos.

3. Mito – Se eu tomar a PrEP com Truvada® vou adquirir resistência aos medicamentos e, caso seja contaminado, os tratamentos com antirretrovirais terão menos efeito.

Isso é um mito. A utilização da PrEP com Truvada® não causa nenhum tipo de resistência ao vírus, desde que o usuário seja HIV negativo. Por isso, é fundamental que, ao prescrever a PrEP, o médico solicite os exames e se assegure desta condição, voltando a repetir os exames a cada três meses durante a utilização do medicamento com fins preventivos para rastrear uma possível contaminação. As diretrizes para o tratamento de um indivíduo soropositivo são completamente diferentes da PrEP e em geral exigem uma combinação de diferentes medicamentos. Esta prescrição é específica para prevenção.

4. Mito – Posso tomar os comprimidos de Truvada® apenas no dia em que for ter relação sexual e estarei protegido, desde que tome uma quantidade maior, dois ou quatro comprimidos de uma só vez.

Isso é um mito. Para que a PrEP com Truvada® tenha a eficácia comprovada, o medicamento deve ser administrado uma vez ao dia, sem interrupções, regularmente. O uso
incorreto pode comprometer os níveis do medicamento no sangue no momento da exposição ao risco e, em consequência, diminuir a proteção oferecida.

5. Mito – A PrEP com Truvada® é indicada apenas para homossexuais e profissionais do sexo. O tratamento não é indicado para as mulheres.
Isso é um mito. A PrEP com Truvada® é indicada para adultos acima de 18 anos com alto risco de adquirir o HIV. Essa indicação se baseia em estudos clínicos com HSH (homens que fazem sexo com homens), casais heterossexuais soro-discordantes e indivíduos heterossexuais com alto risco de adquirir sexualmente o HIV. Truvada® para PrEP deve ser prescrito apenas a indivíduos que sejam comprovadamente HIV negativos imediatamente antes do início do uso e periodicamente durante o uso. O médico deve avaliar a conveniência da prescrição conforme o grau de exposição do paciente.

6. Mito – A PrEP com Truvada® tem efeitos colaterais horríveis e tornam a administração diária muito difícil. Pode ser perigoso para os rins e para os ossos.

Isso é um mito. Truvada® tem uma posologia cômoda de apenas 1 comprimido ao dia.Como qualquer medicamento, Truvada® também pode apresentar efeitos colaterais. Todo medicamento deve ser prescrito caso a caso a depender da condição de saúde do usuário bem como o seguimento frequente com seu médico para exames de reavaliação. Todo efeito colateral deve ser sempre reportado e discutido com o médico.

7. Mito – Se eu tomar a PrEP com Truvada®, passarei a ser HIV positivo em testes.

Isso é um mito. Essa informação não procede. A composição de Truvada® não contém o DNA do HIV. Apesar de ser utilizado como profilaxia, seu mecanismo de ação não tem nenhuma similaridade com uma vacina tradicional. Truvada® possibilita a contenção da infecção ao bloquear a atividade da enzima denominada Transcriptase Reversa, liberada pelo vírus e utilizada no seu processo de replicação dentro das células, especialmente as do sistema imunológico.

8. Mito – Se eu tomar a PrEP com Truvada® uma vez, terei que tomar pelo resto da vida.

Isso é um mito. Essa informação não procede. O usuário pode realizar a profilaxia quando desejar, interrompê-la, voltar a adotá-la sem qualquer impedimento, conforme sua conveniência. É importante apenas lembrar que a eficácia da prescrição como PrEP só é assegurada pela administração diária regular de um comprimido, o que garante a dosagem correta para a proteção oferecida.

Referências:
1. Gilead Sciences Inc. TRUVADA® (emtricitabine/tenofovir disoproxil fumarate) tablets, for oral use. U.S.
Prescribing Information. Foster City, CA. Revised April. 2016.
2. US Public Health Service. Preexposure Prophylaxis for the Prevention of HIV Infection in the United States –
2014 Clinical Practice Guideline. 2014:167.
3. McCormack S, Dunn D, PROUD Invesitgators. Pragmatic OpenLabel Randomised Trial of PreExposure
Prophylaxis: the PROUD study [Presentation 22LB]. Paper presented at: Conference on Retroviruses and
Opportunistic Infections (CROI); February 2326, 2015; Seattle, WA.
4. Baeten J, Celum C, Donnell D, et al. SingleAgent TDF Versus Combination FTC/TDF PrEP Among
Heterosexual Men and Women [Presentation]. Paper presented at: 21st Annual Conference On Retroviruses
And Opportunistic Infections March 36, 2014; Boston, MA.
5. Mulligan K, Glidden DV, Gonzales P, et al. Effects of emtricitabine/tenofovir on bone mineral density in
seronegative men from 4 continents: dexa results of the global iPrEx Study [Oral Presentation/Abstract
94LB]. Paper presented at: 18th Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI); February
27 ‐ March 2, 2011; Boston, MA.
6. Grant RM, Mulligan K, McMahan V, et al. Recovery of bone mineral density after stopping oral HIV preexposire prophylaxis [Presentation Abstract 48LB]. Paper presented at: Conference on Retroviruses and
Opportunistic Infections (CROI); 2225 February, 2016; Boston, MA.
7. Mugo N, Celum C, Donnell D, Campbell J, Bukusi E, et al. Pregnancy incidence and birth outcomes among
African women in a clinical trial of preexposure prophylaxis: the Partners PrEP Study [Poster]. Paper
presented at: Presented at: 19th Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI); March 5
8, 2012; Seattle, WA.
8. Lehman D, Baeten J, McCoy C, et al. PrEP Exposure and the Risk of Lowfrequency Drug Resistance [Poster
590LB]. Paper presented at: 21st Annual Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections; March 3
6, 2014; Boston, MA.
9. Mugwanya K, Wyatt C, Celum C, et al. Reversibility of Glomerular Kidney Function Decline in HIV Uninfected
Men and Women Discontinuing Emtricitabine/Tenofovir Disoproxil Fumarate Preexposure Prophylaxis
[Poster 981]. Paper presented at: Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections (CROI); February
2326, 2015; Seattle, WA.
10. Thigpen MC, Kebaabetswe P, Paxton L, et al. Antiretroviral preexposure prophylaxis for heterosexual HIV
transmission in Botswana. N Engl J Med. 2012;367(5):423434.
11. Choopanya K, Vanichseni S, Suntharasamai P, Sangkum U, Chuachoowong R, et al. Enrollment, followup,
and risk behavior of injecting drug users in the Bangkok Tenofovir Study, an HIV preexposure prophylaxis
trial in Bangkok, Thailand [Abstract]. Paper presented at: Presented at: 6th IAS Conference on HIV
Pathogenesis, Treatment and Prevention; July 1720, 2011; Rome, Italy.
12. Smith DK, Martin M, Lansky A, Mermin J. Update to Interim Guidance for Preexposure Prophylaxis (PrEP) for the Prevention of HIV Infection: PrEP for Injecting Drug Users. Morbidity and Mortality Weekly Report
(MMWR). 2013;62(23):463465.
13. Molina JM, Capitant C, Spire B, et al. OnDemand Preexposure Prophylaxis in Men at High Risk for HIV1
Infection. N Engl J Med. 2015;373(23):22372246.
14. Centers for Disease Control and Prevention. CDC Statement on IPERGAY Trial of PreExposure Prophylaxis
(PrEP) for HIV [Press Release]. Atlanta, GA2015.
15. Baeten JM, Heffron R, Kidoguchi L, et al. Near elimination of HIV transmission in a demonstration project of
PrEP and ART [Presentation]. Paper presented at: Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections
(CROI); February 2326, 2015; Seattle, WA.
16. Mujugira A, Thomas KK, Celum C, et al. HIV1 Transmission Risk Persists During The First 6 Months Of

Governador entrega 239 veículos para a saúde a 179 municípios mineiros


saúde em Belo Horizonte/MG
Atualização diária  9 de agosto de 2017
NOTÍCIAS
Governador entrega 239 veículos para a saúde a 179 municípios mineiros
Governador entrega 239 veículos para a saúde a 179 municípios mineiros ... e só quem não concorda com isso é quem não conhece Minas Gerais. ... Nós já fizemos entrega do Samu em Belo Horizonte, Betim e estamos fazendo ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Servidores da Saúde ocupam Galba Ortopédico em protesto contra o fechamento da unidade
Servidores da Saúde ocupam Galba Ortopédico em protesto contra o ... Galba Velloso, no bairro Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte. ... anunciado pela Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), em julho deste ano.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Hormônio se mostra promissor para tratamento de doenças neuro degenerativas e Imagens publicadas nas redes sociais podem servir para detectar doenças mentais

Doenças
Atualização diária  9 de agosto de 2017
NOTÍCIAS
Imagens publicadas nas redes sociais podem servir para detectar doenças mentais
"Isto leva a um novo método para detectar precocemente uma depressão e outras doenças mentais emergentes", disse Chris Danforth, professor da ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Hormônio se mostra promissor para tratamento de doenças  neuro degenerativas
Uma única injeção de um fragmento do hormônio klotho, ligado à longevidade, poderia melhorar a cognição de pessoas com doenças ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Doenças infecciosas ou parasitárias não são contraindicação ao aleitamento materno, informa a ...
INFECÇÕES – O trabalho “Doenças maternas infecciosas e amamentação” mostra que a maioria das doenças infecciosas bacterianas maternas não ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
10 famosos que lutam contra doenças raras
JON HAMM | O astro de Mad Men sofre de vitiligo, doença que causa manchas mais brancas na pele. É a mesma doença da qual o astro do pop ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Doenças cardiovasculares matam cerca de 17,5 milhões por ano
De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos por causa de doenças ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Manter nível adequado de colesterol ajuda a prevenir doenças
Apesar do colesterol contribuir para o desenvolvimento dessas doenças, ele é fundamental para o equilíbrio e saúde do organismo, como explica a ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Mar Shopping lembra que as doenças não tiram férias
Na próxima quinta-feira, dia 10, o parque exterior do Mar Shopping Matosinhos vai receber uma acção de recolha de sangue. Este é já o sexto ano ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Farmacêuticas esperam que terapia genética aumente apesar de fracas vendas na Europa
No entanto, as fracas vendas dos dois medicamentos já lançados para o tratamento de doenças ultrarraras na Europa destacam os obstáculos a ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Com depressão, Sinéad O'Connor faz vídeo alarmante sobre a doença
Sinéad O'Connor é uma cantora irlandesa de 50 anos de idade que já lançou dez discos de estúdio e explodiu no mundo inteiro logo na sua estreia ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
WEB
Doenças de pele atingem mais de dois mil presos no DF
As doenças de pele que já atingiram 2.600 presos do distrito Federal fizeram novas vítimas. Sete adolescentes internadas na unidade de ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Doenças Crônicas e Não transmissíveisRefNet
Documentos relevantes referentes aos Temas de saúde em destaque no site da Organização Pan-Americana da Saúde - Doenças crônicas.
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Direito ao tratamento de doenças raras será tema de audiência pública na CAS
A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) promove na quinta-feira (10) audiência pública interativa sobre o direito de pacientes com doenças raras ao ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante
Paraná tem comitê para monitorar dengue e outras doenças
Com profissionais de diversos órgãos e área do conhecimento, o comitê atua hoje também na vigilância de outras doenças transmitidas por insetos: ...
Google PlusFacebookTwitterSinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Michel Temer grava participações em programas do SBT, vai lembrar quem: João Baptista de Figueiredo, será que vem a dita por aí?

Michel Temer Atualização diária  ⋅   19 de janeiro de 2018 NOTÍCIAS Preferido do DEM para o Planalto, Maia despista: 'Não sou car...

Jornal de Saúde