quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Cigarro, milhões de mortes e prejuízos financeiros trilionários


Por Pablo Roig, médico psiquiatra especialista em dependência química e diretor da Clínica Greenwood

A cada minuto disposto na leitura deste artigo, treze pessoas serão vítimas fatais do tabaco no mundo de acordo com as estatísticas. O cigarro é único produto legalizado que mata até metade dos seus consumidores, cientes das contraindicações dispostas pelos fabricantes nas embalagens. No início deste século, há menos de vinte anos, quatro milhões de pessoas morriam por ano, em nível mundial. A tendência só aumenta e mais de 19 mil pessoas morrem por dia em decorrência de doenças causadas pelo fumo. São 7 milhões de pessoas por ano num contexto no qual aproximadamente 67% dessas mortes poderiam ser evitadas.

Infelizmente, o cenário não muda porque as pessoas ainda insistem pela compra do adoecimento e morte em padarias e supermercados. Nas Américas, há outro dado assustador que indica o cigarro como causa de 70% das mortes prematuras, ou seja, entre a faixa etária de 30 e 69 anos. E o tabaco mata 6 milhões de pessoas anualmente em todo o mundo se consideramos os fumantes passivos. O cigarro será responsável por oito milhões de mortes até 2030 se a tendência de consumo permanecer.  

Por muito tempo, a inverdade de que o cigarro não traz malefícios para a saúde dos usuários imperou, como é visto no filme O Informante. A história demonstra como as indústrias do cigarro, que ganham enormes fortunas com a venda, negam as consequências do tabaco tais quais dependência química e doenças responsáveis por milhares de mortes. Se assim o fosse, o custo para o tratamento de saúde das pessoas por causa do cigarro não chegaria a U$ 33 bilhões somente na América Latina. 

Essas são algumas consequências da presença de quase cinco mil substâncias tóxicas no cigarro que entram no organismo da pessoa a cada tragada. E diga-se que a composição final do cigarro não tem somente metais, alcatrão e gases como monóxido de carbono. Há também pesticidas que visam o tratamento das folhas de tabaco para evitar a destruição da lavoura do fumo por insetos e, até mesmo, animais. 

O tabaco gera dependência química porque a nicotina aumenta os níveis de dopamina na chamada zona de recompensa do cérebro, área responsável pela sensação de prazer duma pessoa. Se há uma sensação prazerosa, eleva-se os níveis de dopamina no cérebro. Um ato sexual ocasiona o crescimento da presença de dopamina em 100% no cérebro, já a nicotina acrescenta uma dose de 250%. A sensação de bem-estar é avolumada por causa do cigarro e isto causa a dependência. 
Quando um cigarro é aceso, a menor parte da fumaça é tragada pelo fumante. Cerca de 70% da fumaça decorrente da queima é lançada no ambiente pelo produto. Saem pela ponta do cigarro uma quantidade de substâncias nocivas muito maior se comparado àquelas que deixam o tabaco pelo filtro. Milhares de substâncias, muitas vezes tóxicas e cancerígenas, são dispersadas no ambiente e este é um dos motivos que levam a proibição do fumo em ambientes fechados.

O fato curioso é que a poluição tabagística ambiental contém praticamente a mesma composição da fumaça tragada pelo fumante. Mas o volume de nicotina, monóxido de carbono presente no local se torna superior na ordem de três vezes em relação ao que é ingerido pelo usuário. Ressalta-se, são três vezes mais de um composto que possui cerca de cinco mil substâncias tóxicas, agrotóxicas e cancerígenas.
Um dos piores cenários dos prejuízos do tabaco à vida humana é observada na gravide cuja a existência dos filhos é, frequentemente, interrompida antes do nascimento. Aborto espontâneo e síndrome da morte súbita estão entre as consequências do consumo de cigarro. O fumo pelas mães também prejudica a chegada de oxigênio nos pulmões da criança que pode ter taquicardia. Há casos de bebês prematuros com peso abaixo do ideal os quais ficam vulneráveis à diferentes tipos de doenças e três vezes mais expostos a distúrbios neurológicos. 

A Organização Mundial de Saúde prevê U$ 1,4 trilhão de gastos em saúde por todo o globo em pouco mais de uma década. A declaração de impostos sobre a venda de cigarros não cobre nem a metade dos custos da assistência médica para o tratamento de doenças relacionadas ao tabaco no Brasil. O país tem gastos diretos de U$ 12 bilhões, quase R$ 40 bilhões, com despesas médicas voltadas para as pessoas que adoecem “voluntariamente” através do consumo de tabaco. Enquanto isso, milhões de mortes e prejuízos trilionários na gestão pública da saúde são as consequências do único produto no qual metade das pessoas que o adquire estão cientes das doenças ocasionadas por causa da composição química do tabaco.


A fraude que provoca o aumento dos valores de planos de saúde


Por Fernando Machado Bianchi, sócio-fundador do Miglioli e Bianchi Advogados e especialista em Direito da Saúde

Muito se fala sobre o constante aumento das mensalidades de planos de saúde, assim como sobre as negativas de coberturas dos procedimentos solicitados pelos beneficiários.

Em uma primeira impressão se entende que as operadoras são as vilãs da relação existente com os consumidores.

Ocorre que tal impressão merece melhor análise.

Inicialmente, é importante notar que existem outros atores no cenário da prestação de serviço médicos privados, como médicos, hospitais, clínicas, laboratórios, que mesmo afetos à princípios, como o da ética e legalidade, em última análise, na qualidade de empresas privadas visam o lucro.

A busca por coberturas sem previsão legal e contratual, por parte de beneficiários, inclusive por meio judicial, através de decisões judiciais, pouco técnicas, calcadas em uma visão exclusivamente assistencialista, e muitas vezes contrária à própria legislação especifica que regular o mercado de planos de saúde, já há muito vem assolando as operadoras de planos de saúde, que são obrigadas a arcar custos altíssimos, que repita-se, não estavam obrigadas a cobrir, e, portanto, que não constavam previstas em seus cálculos atuariais, provocando desiquilíbrio econômico financeiro dos contratos.

Ocorre que atualmente as operadoras passaram a ser vítima de majoração de seus custos assistenciais indevidamente, porém sob a modalidade de fraude, praticada por uma minoria de profissionais médicos, utilizando pacientes, na maioria das vezes completamente ignorantes da situação.

A fraude se dá através do seguinte modus operandi:

A clínica ou profissional médico, estranhos a rede credenciada da operadora, localizam pacientes beneficiários de planos de saúde, que estão investigando problemas de saúde e que são reais candidatos a realização de algum procedimento cirúrgico, cuja realização demanda obrigatoriamente a utilização de próteses e materiais cirúrgicos, como por exemplo, em cirurgias de natureza: buco-maxilo, ortopédicas e neurológicas.

O paciente é abordado, e ao alertar o médico ou clinica que tem plano de saúde e que não irá desembolsar nenhum valor de forma particular, já que planos de saúde em regra não cobrem, por exemplo, honorários médicos de profissionais não credenciados, lhe é prometido tratamento gratuito.

Porém a partir desse momento, extrapolando a competência médica, o médico ou clínica passam assumir integralmente a batuta administrativa das vontades do paciente.

Já contando, com fornecedores exclusivos de materiais cirúrgicos, e inclusive de advogados próprios, apresentam direcionada relação de materiais com especificação técnica apenas encontrada em seus fornecedores.

Ocorre que os preços de tais materiais nesse cenário, chegam a representar de 3 a 4 vezes os valores de materiais equivalentes em qualidade e segurança, totalmente capazes de obter o mesmo resultado.

E a partir de então, se passam pelo paciente, desde o âmbito extrajudicial junto a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, confeccionando reclamações através do espaço NIP da ANS, até o âmbito judicial, promovendo ações judiciais com pedidos liminares através de corpo jurídico próprio.

Verificam-se casos, de reclamações técnicas realizadas pela ANS, como sendo de lavra de pacientes analfabetos que sequer tem conhecimento de seus termos.

Desse modo, se verifica atuação concertada visando o direcionamento de aquisição superfaturada de materiais cirúrgicos, as expensas das operadoras de planos de saúde, que anualmente suportam milhões em prejuízos, ensejando inclusive dificuldades financeiras que acabam invariavelmente prejudicando outros beneficiários que utilizam de forma correta suas coberturas contratuais através de profissionais médicos éticos e comprometidos efetivamente com seu tratamento.

É importante, deixar consignado, que o modus operandi supra não representa em nenhuma hipótese a classe médica ou suas instituições, tão laboriosas e importantes para a saúde da população, representando conduta pontual de alguns, mas que, nem por isso, não deixa de ser ilegal e prejudicial, não só para as operadoras, mas, também para os próprios beneficiários que ao final são assolados com reajustes, compostos inclusive, por tais prejuízos.
Portanto, os beneficiários de planos de saúde devem ficar atentos com promessas pouco razoáveis de tratamentos gratuitos oferecidos por estranhos, e por sua vez, as operadoras, precisam estar atuantes com departamentos jurídicos e de auditoria médicas, aguerridos, para reverter tais condutas, tanto no âmbito ético como judicial.

Obesidade parece brincadeira e até disputa e algo social, mas não é, é "várias doenças" futuras

Médica conta como, quando e por que devemos alterar nosso estilo de vida
Descrição: Descrição: E:\TASSIANE\_ELO8788 - Copiabaixa.jpgO brasileiro mudou seus hábitos. O acesso a mais tecnologia, a facilidade para comprar guloseimas e o sedentarismo têm levado nossa população a engordar e adoecer. Dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia, divulgados em abril deste ano, apontam que o número de pessoas diagnosticadas com obesidade, hipertensão e diabetes aumentou muito na última década.

“Diria que a correria do dia a dia é o principal fator responsável por esses números. Na agitação da vida moderna, a atividade física é posta de lado e a alimentação errada vira prioridade por ser mais rápida. Com isso, temos pouca ingestão de nutrientes e incremento nas calorias vazias, presentes em doces, refrigerantes, fast food etc.”, destaca Dra. Tassiane Alvarenga Endocrinologista e Metabologista formada pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP). 

Doenças como diabetes, hipertensão e até mesmo o sobrepeso já são consideradas epidemias e problemas de saúde pública em todo o mundo. Dra. Tassiane lembra que elas deixaram de ser problemas de idosos para se fazerem presentes até em crianças e adolescentes de ambos os sexos. “Mas as mulheres estão precisando de mais atenção! Os dados da Sociedade Brasileira de Endocrinologia apontam que o número de diagnósticos de diabetes cresceu 61,8% de 2006 para 2016, afetando principalmente o público feminino. Elas estão sofrendo mais deste mal. Já a obesidade, aumentou em 60% na década, com frequência bastante semelhante entre os gêneros, enquanto a hipertensão teve um salto de 14,2%, tendo as mulheres como principais pacientes diagnosticados”, afirma.
Higiene do sono: o que é?
São comportamentos que ajudam a induzir o sono, como:
- Não ingerir bebidas e alimentos ricos em cafeína até seis horas antes de deitar.
- Não usar o celular, tablet ou computador na cama.
- Deixar o quarto escuro e silencioso para estimular o sono.
- Deitar e acordar sempre nos mesmos horários.
- Evitar sonecas durante o dia.
- Buscar ajuda médica caso não melhore em até seis semanas.

 - Descrição: Horizontal estreitaComo reverter o problema? Com a mudança do estilo de vida. Não é algo fácil ou que ocorra de uma hora para a outra, mas a adoção de novos hábitos é capaz de amenizar e até reverter essas doenças metabólicas.
Dra. Tassiane orienta seguir quatro pilares para mudar hábitos:
- Alimentação: “comer de tudo um pouco e sem exageros é a chave para o equilíbrio e para transformar a nutrição em saúde”, diz a médica.
- Atividade Física: o ideal é praticar 150 minutos de exercícios por semana, o que dá meia hora para cada dia útil. “O segredo, aqui, é encontrar uma atividade que seja prazerosa e praticá-la com frequência”, orienta.
- Sono: “dormir é essencial para a boa saúde e precisamos de, no mínimo, sete horas por noite de sono para ficarmos bem. Pegar no sono, no entanto é algo que deve ser exercitado e a higiene do sono pode ser uma aliada de quem tem dificuldades para dormir”, diz a médica.
- Controle do Estresse: Dra. Tassiane lembra que é inevitável nos estressarmos, mas quando estamos expostos a fatores estressantes por longos períodos, a saúde como um todo sofre. “É preciso buscar formas de amenizar essa tensão e cada pessoa tem um método preferido, que pode ser a meditação, a atividade física, programas prazerosos etc.”
Transformar o estilo de vida é possível e só depende da força de vontade pessoal. Os pilares acima, segundo a Dra. Tassiane, podem ser a medicação diária para cuidar das doenças metabólicas e ainda ajudam a melhorar a felicidade. “Existe uma equação que diz que 50% da nossa felicidade tem origem genética, 40% da sua atitude de ser feliz e 10%, da circunstância e do momento de vida que se está passando. Ao adotar um estilo de vida mais saudável, certamente estaremos transformando nossa vida e nosso corpo para ganhar mais saúde e mais felicidade. Vale sempre a pena!”, conclui.





Sobre Dra. Tassiane Alvarenga

·         Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Uberlândia – UFU;
·         Residência Médica em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP;
·         Residência Médica em Endocrinologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FM USP);
·         Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia- SBEM;
·         Membro da Endocrine Society, SBEM e ABESO;
·         Faz parte do Corpo Clínico  da Santa Casa de Misericórdia de Passos.
·         Sobrepeso e Obesidade. Compulsão Alimentar e Ansiedade;
·         Obesidade Infantil;
·         Diabetes Mellitus e Pré Diabetes: Controle da glicemia e prevenção de complicações como Retinopatia , Neuropatia , Nefropatia , Infarto do Miocárdio e Acidente Vascular Cerebral (AVC);
·         Dislipidemias ( Colesterol);
·         Doenças da tireoide ( Hipo e Hipertireoidismo, Nódulos na Tireóide);
·         Osteopenia e Osteoporose;
·         Seguimento pré e pós operatórios de cirurgia bariátrica;
·         Check-up e Avaliação de rotina;
·         Baixa Estatura;
·         Distúrbios da Menstruação, Distúrbios da Puberdade, Crescimento e Desenvolvimento sexual;
·         Síndrome dos Ovários Policísticos;
·         Reposição hormonal na Menopausa e Andropausa.

Semana “Neuro em Ação Campanha alerta sobre os riscos de lesões em acidentes por uso do celular na direção, mergulho em águas rasas e má postura


 
De 11 a 15 de setembro a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) promove a Semana “Neuro em Ação”, no país
 
Com o slogan “Use a Cabeça, Proteja seu Corpo” Nos dias 11 a 15 de setembro a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) promove a Semana “Neuro em Ação”, divulgando nas principais capitais e cidades do país alertas sobre “Mergulho em Águas Rasas”, Celular e Direção” e “Postura e Lombalgia.
O objetivo é prevenir traumas medulares, evitando acidentes por falta de cuidados no mergulho em águas rasas e pelo uso do celular na direção, além de lesões e dores na coluna, resultado de má postura no dia a dia.
As ações educativas que envolvem a campanha acontecem de forma simultânea nas principais capitais e cidades brasileiras, com participação de especialistas em neurocirurgia, neurologia, coluna vertebral, tratamento da dor, dentre outros médicos.
A campanha faz parte das comemorações dos 60 anos da SBN e compõe o projeto “Pense Bem”, ação da entidade para educação preventiva a acidentes com traumatismo cranioencefálico (TCE).
Mergulho em Águas Rasas
O objetivo da campanha é lembrar que, ao mergulhar, uma pessoa pode bater a cabeça diretamente no fundo do rio, da piscina ou açude, por exemplo e sofrer um impacto direto ou indireto na coluna, resultando em lesões permanentes.
De acordo com o neurocirurgião Andrei Fernandes Joaquim, os traumas mais comuns com a falta de cuidado nos mergulhos são as lesões cervicais, que, podem variar de um simples estiramento muscular até graves explosões das vértebras com lesão medular. A maior parte das vítimas são do sexo masculino, cerca 90% com cerca de 23 anos. Dentre eles, 50% confirmaram o uso de álcool durante o mergulho.
O local de maior risco de incidente é o mar (45%), seguido por piscinas e rios (20% cada); recifes (11%) e barragens (4%.)
Assim como o tipo de lesão, o tempo de recuperação também é variável. Mas, o mais grave, é que ao menos 50% dos pacientes sofrem déficit neurológico completo. Dependendo da lesão, a recuperação pode não ocorrer.
 
Celular e Direção
Uma outra vertente da campanha é o uso do celular na direção, ato cada vez mais comum no trânsito. O neurocirurgião Mauro Suzuki chama a atenção para as consequências da distração, como as colisões e os atropelamentos, que costumam acontecer em trechos urbanos próximos a semáforos luminosos. O resultado inclui longos tratamentos, sequelas e, até mesmo, óbitos.
 
Para Suzuki, é impossível digitar e dirigir sem que haja algum prejuízo sensorial quanto a atenção, mas grande resistência de evitar a falta de atenção no volante vem de jovens e adolescentes, que cresceram em meio ao uso abusivo de smartphones.
 
De acordo com o Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), 90% dos acidentes ocorrem por falhas humanas, que podem envolver desde a desatenção dos condutores até o desrespeito à legislação, causadas, dentre outros, por uso do celular no trânsito. O acidente pode ocorrer quando o motorista tira uma das mãos do volante para discar um número no telefone ou digitar uma mensagem de texto. As duas mãos na direção são cruciais para efetuar manobras de emergência. O som do telefone e das mensagens que chegam também fazem com que o motorista perca a percepção auditiva de sirenes ou buzinas de outros veículos no trânsito.
 
Postura e Lombalgia
O terceiro pilar da campanha é Postura e Lombalgia. O neurocirurgião Paulo Porto, explica que a postura inadequada no ambiente de trabalho é o fator de maior risco para o surgimento de lesões e, por consequência, de dores.
O especialista lembra que, além de altura mal regulada do computador, mesa e cadeiras, o modo incorreto de levantar objetos pesados ou crianças do chão são formas de prejudicar a coluna, resultando em lombalgia.
 
 
Os três pilares abordados pela campanha da SBN envolvem aspectos passíveis de prevenção de lesões que podem levar à incapacidade no trabalho, deficiências diversas (momentâneas ou permanentes) e, até mesmo, à morte.
“Por isso, persistimos nas ações preventivas”, complementa o neurocirurgião Carlos Drummond, responsável pela coordenação do programa Pense Bem.
,
 
 
 
 
 

Jornal de Saúde - 31 3077-4513: Tite destaca empenho dos jogadores após empate con...

Jornal de Saúde - 31 3077-4513: Tite destaca empenho dos jogadores após empate con...: Esportes Atualização diária ⋅ 6 de setembro de 2017 NOTÍCIAS Tite explica ausência de Vander...

Bonecos terapêuticos ajudam crianças em tratamento em unidade de saúde do Rio


saúde em geral
Atualização diária 6 de setembro de 2017


NOTÍCIAS

Municípios recebem orientações para elaboração do Plano Municipal de Saúde
As gerências Regionais de Saúde de Araranguá e Criciúma, com apoio do Cosems (Conselho de Secretarias Municipais de Saúde), reuniram na ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Idade provecta, saúde perfeita
Por insistência de minha tia Charlotte, fiz uma avaliação geral de minha saúde no ano em que aqueles meninos de Liverpool lançaram, if I remember, ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Cistite: sintomas, remédios e prevenção dessa infecção urinária
Em geral, só aparece na maturidade, quando um eventual aumento da próstata dificulta o esvaziamento da bexiga, gerando acúmulo de urina.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Governo altera regra para reabrir moratória de Santas Casas e entidades de saúde
A Secretaria da Receita Federal e a Procuradoria-Geral da Fazenda ... e outras entidades do setor de saúde possam conseguir uma moratória por 15 ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Santas casas e hospitais filantrópicos terão linha de crédito de R$ 10 bilhões
Serão liberados R$ 2 bilhões anuais consignados no Orçamento Geral da União. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, destacou que a sanção do ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Saúde e fabricantes se reúnem para discutir preço de remédio para atrofia muscular
Brasília - O Ministério da Saúde e detentores do registro do medicamento Spinraza, indicado para pacientes com Atrofia Muscular Espinal (AME), se ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Salvador Sobral anuncia pausa na carreira por motivos de saúde
“Já não é segredo para ninguém que a minha saúde é frágil. ... ciência e consequentemente ausentar-me da vida de concertos e da música em geral.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Governo acusado de não apostar no combate às bactérias hospitalares
O diretor-geral da Saúde, Francisco George, reconhece que este é um combate que não pode ficar parado e adianta que assumiu as funções na ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


Bonecos terapêuticos ajudam crianças em tratamento em unidade de saúde do Rio
Com apenas 3 anos de idade, a pequena Maria Alice já teve que colocar uma sonda alimentar. Para entender e lidar melhor com a intervenção ...
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante


GAT apresenta app de saúde sexual
A app CheckMe é financiada pela direção-geral da Saúde e promovida pelo GAT, associação membro da Coalition Plus e parceira da AHF Europe.
Google Plus Facebook Twitter Sinalizar como irrelevante

Jornal de Saúde informa

Michel Temer grava participações em programas do SBT, vai lembrar quem: João Baptista de Figueiredo, será que vem a dita por aí?

Michel Temer Atualização diária  ⋅   19 de janeiro de 2018 NOTÍCIAS Preferido do DEM para o Planalto, Maia despista: 'Não sou car...

Jornal de Saúde