Cancerologia

O país que compra ponte e manda ouro e diamantes par fora
Parece que não mudou nada no Brasil do séc. 18 e 19 para o Brasil do séc. 21, nossas pantlas naturais, ervas, enfim a fitoterapia, é levada para o exterior, copiada, sintetizada em remédios e cosméticos que depois são vendidos ao brasileiro por preços altos, alguns medicamentos chegam a valores exorbitantes.
Mesmo assim, o país é burocrático, lento e nunca tem dinheiro para pesquisar, aprovar e comercializar descobertas científicas. No entanto, o ouro farto "acabou" os diamantes, também, temos agora o Petrosal, que com o escândalo do Petrolão, ninguém mais fala.
O tem isso a ver com remédios? Tudo pois desde a burocracia para a pesquisa científica e aceita mundialmente, a demora de 1,5 ano para 90 dias nos USA e Europa é muito grande, o financiamento poderia ser feito pelo BNDES e se resultar um remédio eficaz contra o câncer, que seja apenas para um tipo de câncer, poderia se comercializar a droga para fora do país e dentro do país como já vinha sendo feito pelo cientista que descobriu e há 20 anos doava o medicamento para pessoas que queriam tomar pois acreditavam que poderiam se curar dessa moléstia grave que aumentou no Brasil, consideravelmente.
As notícias veiculadas sobre a não eficácia, a Anvisa que diz que não cura, o cientista que afirma que há testes, hospital que desmente, o Drauzio Varella que no Fantástico, a mando ou pago, ninguém sabe por quem, colocou o produto e o cinetista Cherisse como criminoso, falsário - desde que Anvisa e oncologistas, não atestaram e fizeram testes em 20 pessoas e não se comprovou - contra 20 anos de pesquisa e uso e mais centenas de processos judiciais para ter acesso ao remédio-. Fica tudo o que ocorre no Brasil em relação a riqueza natural brasileira e o Estado e a burocracia que envolve a aprovação de medicamentos e outros processos.

Dr. Gilberto descobre a cura do câncer com fosfoetanolamina e é proibido

Deveria ser ao contrário, a Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária deveria correr atrás de Gilberto Orivaldo Chierice, pesquisador e cientista, professor aposentado da USP-Universidade Federal de São Paulo, que descobriu após 20 anos de pesquisa e uso a fosfoetanolamina que segundo ele já administrou em 800 pessoas ano, durante estes últimos 20 anos de pesquisa.

As cápsulas são combinações com ácido fósforico com etanolamina, que é encontrado em xampus, segundo o efeito das pesquisas em pessoas com câncer terminal, se curaram no prazo de oito meses de uso das cápsulas. Ele não relata nenhum caso de efeito colateral ou adverso e reclamação de pacientes que não tenham tido êxito.

O mais estranho de tudo isso é o aviso da Anvisa que proibiu o uso, a distribuição que é feita gratuitamente na cidade de São Carlos, em São Paulo, visto não ter autorização e nenhum laboratório se interessou pelo produto e tampouco a USP - Universidade Federal de São Paulo. A veemência da Anvisa deixou o cientista e todas as pessoas que lhe acorrem para tomar e fazer parte da pesquisa perplexos e ao mesmo tempo meio que órfãos de explicação lógica sobre a proibição. Apenas que seja registrado e comprovado é muito pouco.

O dr. Gilberto não tem como quantificar a pesquisa, não há casuística, ele sabe perfeitamente que as pessoas retornam depois de tomar as primeiras 60 cápsulas que são distribuidas, segundo ele gratuitamente, e conseguem melhorar após o término do tratamento que situa-se em torno de 8 a 12 meses de tomadas das cápsulas e obviamente com todo acompanhamento e mudança de nutrição e até mesmo de hábitos arraigados de vida como tabaco, alimentação cárnea e outros hábitos nocivos.

O mais dantesto dessa terrível história de proibição de tratamento que está dando certo e com êxitos que o mundo precisaria saber e averiguar, auferir os resultados e tratar muitas pessoas, é que a USP e o governo federal, estadual e municipal e laboratórios não movem um palito em prol do medicamento. A Anvisa afirma que a USP e qualquer outra pessoa não tem nenhum tipo de documentação, pedido para legalizar o medicamento.

O cientista Gilberto por sua vez não tem condições financeiras e burocráticas, ele pesquisa e produz o medicamento, ou corre atrás de papéis e gabinetes para registrar Marcas e Patentes, no INPI e retirar a licença da Anvisa, que não é fácil é trabalho para pessoas e até mesmo escritórios de advogados e despachantes que se especializam nesse assunto.
Tudo leva a crer que essa má vontade dos órgãos públicos é orquestrado com os grandes laboratórios que esquematizam tanto a indústria do remédio que atenua, quimi e radioterapia como os grandes centros de tratamento de Câncer que ganham rios de dinheiro com seus especialistas, leitos, nutricionistas e tratamentos e remédios cada vez mais onerosos para o cidadão classe média, pobre.

Sendo que o rico pode pagar e muitos não pagam, todos sabem o quanto a doença pode destruir até mesmo fortunas.
É preciso que alguém, quem sabe um processo junto a Anvisa, através do Ministério Público, ou simplesmente, de advogados para que tanto a USP quanto a Anvisa e governo tomem consciência, aprovem e produzam nos laoratórios estaduais do governo essas cápsulas e passem a vender ou distribuir para quem quer melhorar, sarar dessa doença que mais mata no mundo, atualmente, o câncer de vários tipos nos seres.
Marcelo dos Santos
jornalista - MTb 16.539 - SP/SP

 

Sem câncer é melhor viver


Daniel Kovacsik, bisneto do cientista Estevam e Maria Kovacsik, que desenvolveu técnica natural de captação de energia para a cura do câncer, na década de 50. Hoje, formado em Comunicação Social pela faculdade Anhembi em São Paulo, especializado em Documentários, o qual fez com que ele abraçasse a luta humanitária e fundasse, com outros familiares, a Associação Estevam e Maria Kovacsik.


Estevam Kovacsik
Daniel viaja o Brasil e faz palestras para pessoas sadias e que possuem históricos familiares e querem a prevenção, também para aqueles que estão em tratamento e acreditam que o tratamento desenvolvido pelo seu bisávo é eficaz, correto e que já tratou de mais de 1.200 pessoas numa casuística de 99% de cura, com visitas em 90 pontos de atendimento.


Daniel se prepara para palestra em Manaus-AM
No Brasil atua em 13 estados e no Distrito Federal com sua palestras, que são simples e complexas ao mesmo tempo, precisa em pouco tempo provar que o seus antepassados estavam corretos e que os metais e o método de usar esses metais, que ele não revela o material utilizado, conforme ele disse "Não é a hora ainda é preciso de mais pesquisas e essas pesquisas precisam ser custeadas. No entanto, quem deveria se interessar governo federal, estadual e prefeituras, hospitais e outras instituíções de saúde; como laboratórios farmacêuticos, não se interessam. Então acontece devagar a pesquisa científica e a comprovação."

Método e descoberta Kovacsik

Segundo Daniel Kovacsik e seu material de divulgação que treina terapeutas que devem respeitas a ética e outros preceitos do AEMK-Associação Estavam e Maria Kovacsik, chamados de ciência e amor, respectivamente como forma de homenagem, se pensar na premissa que não existe ciência sem amor.
Agora o mais incrível é saber que uma fossa, água de esgoto de banheiro onde possamos sentar para mais de 3 a 4 anos, deitar enfim conforme Daniel comenta de forma vertical e receber os "miasmas" como Samuel Hannemann descobriu e defendeu é a causa do câncer tanto o vírotico quanto o bacteriano, como se admite atualmente.


jornal onde noticiou o feito de Estevam
Daniel pensa que se há cancêr em todas as partes do mundo, não como atribui o câncer somente a hereditariadade e também ao fator genético. Ele conta em suas palestras uma breve história de um homem que sentava numa poltrona em sua casa e que morreu de câncer. Sua filha poderia ter usado essa poltrona, estranhamente ela cedeu para o cão e este veio a falecer.
A moça não teve câncer então se conclui que se ela tivesse usado essa cadeira onde depois descobriu-se que havia uma fossa ou água pútrefa de esgoto, principalmente de fezes humanas, isso mesmo nós mesmos nos contaminando como nosso hábitos chamados de modernos. No qual os velhos e quase extintos índios não faziam agiam como os "gatos" vão no mato e enterra suas fezes que entram em contato com a natureza, conta Daniel.
O esgoto ou fossa, água de banheiro com fezes, lama negra quando exala verticalmente e começa a atacar a pessoa entre quatro anos a pessoa sentirá dores e começam problemas no baço e no coração. A partir daí tumores aparecem e como todos sabem da metástase do câncer se replicam células doentes que podem migrar para outros órgãos e que causam a morte do paciente se ele não tratar em tempo hábil com radio e quimioterapia.

Segundo IBGE, mais de 70% dos municípios não têm política de saneamento; 48,7% não fiscalizam qualidade da água


http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/11/13/estudo-do-ibge-mostra-que-mais-de-70-dos-municipios-nao-tem-politica-de-saneamento-basico.htm.

Sempre ele afirma "não é fácil de entender, muitas pessoas assistem a palestra compra o isolante e o capacitador feitos de liga metálica que captam ou bloqueiam a energia ruim. Esse bloqueio permite que a energia ruim não prejudique o funcionamento do corpo e este possa funcionar bem, já pensou o coração e o baço comandam a coisa principal do corpo humano que é a circulação sanguínea, o baço retém o sangue na musculatura e o coração bombeia e solta o sangue no momento certo para que tudo ocorra direitinho.
Alimentação e choque térmico
O sucesso e o fracasso do tratamento dependem de rápido treinamento, por exemplo a cama que deve ser de madeira, as roupas preferencialmente de algodão, debaixo da cama não deve ter absolutamente nada, um chinelo e tal. Por que tudo isso? para se colocar debaixo do travesseiro ou local apropriado o isolante ou potencializador que vão no prazo de 12 meses eliminar o câncer de pessoas em tratamento de qualquer natureza. Ele afirma sempre que não se deve interromper e nem ele aconselha isso, o tratamento médico.

Estevam Kovacsik estudioso sem formação acadêmica que dedicou a pesquisa do câncer através da radiestesia e curou muitas pessoas com este mal com seu método.
Mas, pode fazer o tratamento com o método AEMK-Associação Estavam e Maria Kovacsik, outro local que deve ser usado é no assento em cadeiras, mas nada de assento com metal, precisa ser mesmo simples, uma cadeira de plástico é o ideal, senta e coloca a pequena peça de metal debaixo do acento.

Existem pessoas que com prisão de ventre devido a tratamentos e muitos medicamentos ficam até mais de horas no banheiro, essas devem amarrar o objeto de metal na perna em algum lugar do corpo para se proteger.
A higienização é importante e preciso sempre de duas peças e dois saquinhos para lavar um e secar o outro.

A alimentação deve ser forte ele indica sopas com carne de músculo com muitas folhas de hortliças e verduras e não tomar banho frio e/ou banho quente e sair no frio sem agasalho. Segundo, ele é preciso respeitar tudo isso e o terapeuta ainda acompanha para que não venha o tratamento fracassar por algum descuido.
Por último, deixa o aviso que haverá o Congresso Mudanças signicativas expressão do câncer - pela WTC, Congresso Todos juntos contra o câncer organizado pela Abrale - Associação Brasileira de Leucemia em 26 de setembro de 2015 no youtube - há link e site no facebook, os intessados podem acessar e participar.
Marcelo dos Santos
MTb 16.539-SP/SP

Nenhum comentário:

Jornal de Saúde informa

Febre amarela: Caso suspeito de febre amarela em humano é investigado em Carmo do Paranaíba e Idosos não conseguem vacina

saúde em Belo Horizonte/MG Atualização diária ⋅ 18 de janeiro de 2018 NOTÍCIAS Técnica de saúde bucal é de...

Jornal de Saúde